EAME

beautiful pink bird

Nossa, nossa! Que coisa linda!!!

É isso!
Reproduzindo um pouco da conversa que tive com Eu aparecendo como Silvano:
Nas situações que vivenciamos, perguntar a nós mesmos: “o que é isso?”e não se é bom ou ruim.
Viver o amor divino a cada instante, de minuto a minuto.
Estar consciente de Quem faz;
Perceber é praticar ação consciente;
Se não estiver bom (pra mente), continue andando pelo “quarteirão” da vida e fique atento;
Se estiver com um personagem ou não, se não estiver percebendo, não se pode desfrutar, nem compartilhar;
Viva no amor divino – não sabemos quem vai mudar de representação primeiro, portanto simplesmente desfrute conscientemente;
Conversar com Deus: “o que posso fazer para realizar-me?”;
Fazer as minhas coisas, aquilo que quero e me proponho de acordo com a intuição e ficar atenta!!
Está tudo perfeito do jeito que é; acalme, sinta, e entre na Presença que está por trás de tudo!
Amor e gratidão!
Beijos,

Através de Gabi

3 thoughts on “EAME

  1. Reproduzindo o comentário do Eu aparecendo como Raphael…

    Gostaria de compartilhar esse pequeno texto extraído do livro “A Verdade da Vida 11” páginas 197 e 198.

    A tragédia Hamlet é um produto da imaginação de Shakespeare; portanto, por maior que seja o realismo com que ela esteja sendo representada no palco, não está acontecendo realmente. Também o príncipe Hamlet, personagem central dessa tragédia que vive um grande sofrimento, não é uma pessoa que vive realmente. O príncipe Hamlet é um personagem fictício criado por Shakespeare.
    Um personagem que não existe realmente é atormentado pela tragédia que ele próprio criou — isto exemplifica como o homem fenomênico, que não existe realmente, vive a sofrer criando ele mesmo ilusões que na realidade não existem. Ilusão não existe; o homem em estado de ilusão não existe. Na tragédia acima citada, não existem na verdade nem o príncipe Hamlet, nem seus conflitos e sofrimentos. Mesmo que Hamlet tentasse refletir sobre a inexistência de si mesmo e sobre a inexistência da ilusão, nunca iria compreender. O mesmo se dá conosco quando procuramos compreender, com nossa inteligência humana, a inexistência da ilusão e do próprio corpo carnal. Por esse meio, nunca chegaremos a essa compreensão. Voltando à tragédia de Hamlet: Para Shakespeare, é perfeitamente óbvia a inexistência de Hamlet e de seus tormentos, ou seja, é óbvio que Hamlet é um personagem originariamente inexistente e, por conseguinte, sua tragédia também não é real. Shakespeare tem plena consciência de que Hamlet é produto de sua imaginação e, assim sendo, por mais verossímil que seja esse personagem no palco, não é real. Nessa alegoria, Shakespeare corresponde ao homem verdadeiro, filho de Deus, perfeito e livre, que possui total liberdade de pensar e criar; Hamlet corresponde ao “falso ser humano”, ou seja, ao “eu carnal”; e o fato de Hamlet viver sua tragédia, cheio de sofrimentos e conflitos corresponde ao “falso ser humano” (homem fenomênico) viver atormentado pelas ilusões que criou. Do mesmo modo que Shakespeare sabe da inexistência de Hamlet, somente o homem verdadeiro sabe da inexistência da tragédia do seu “falso eu”.

    Reproduzindo o comentário do Eu aparecendo como Silvano…

    “somente o homem verdadeiro sabe da inexistência da tragédia do seu “falso eu”.

    Texto totalmente nuclear! Percepção clara deste “Hanuman”!

    Num perfeito paralelo com a linguagem usada no Núcleo, ficaria:

    “somente o homem verdadeiro [somente Quem Sou ou somente Quem somos] sabe da inexistência da tragédia do seu “falso eu” [sabe da inexistência da tragédia de “quem estou sendo” ou de “quem estamos sendo”].

    Maravilhoso compartilhar, Hanuman Raphael! {Grande Raphael}

    Reproduzindo o comentário do Eu aparecendo como Naiana…

    Muito obrigada!
    O texto d’A verdade da vida é perfeita explanação do “perceber”.

  2. Pingback: Sobre o conceito de Maya | Nucleu

  3. Pingback: Como devemos olhar? | Nucleu

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s